A concha

A concha 2A concha

Aqui, temos apenas duas opções para se ter uma concha: mergulhar fundo no mar e encontrar a sua ou ir a uma loja de conveniências e se ofertar em uma prateleira.
Ah, pode-se roubar de alguém, mas não é o caso, né?!
A loja de conveniências fica ali, bem pertinho. É bonita por fora, para atrair os clientes, e oferece conchas de todos os tipos.
Seu intuito é satisfazer o maior número de pessoas possível. Para isso, adquire sua mercadoria sempre em larga escala, porque assim consegue um bom preço de compra e pode oferecer um preço competitivo para seus clientes.
Boa oferta é sinônimo de clientela feliz e portanto sucesso de vendas garantido.
Já o mar… Ah o mar…
Fica lá longe…
Primeiro é preciso dar um jeito de chegar até ele.
E ele é “aquela coisa”: azul, ou verde, ou cinza… Depende do dia.
Água gelada. Salgada…
Lá nenhuma concha é igual a outra. E não existe prateleira ou produção em escala.
Na beira, já encontramos algumas delas, mas sabemos que da beira até o fundo existem muitas, muitas outras.
Pode escolher ficar com uma dessas da beira, mas terá que conviver com isso.
E se quiser ver as que estão mais para o fundo, e mais para o fundo, vai ter que tomar a decisão de mergulhar.
Além do frio, do sal e da instabilidade, ainda teremos que prender o ar.
Cinco minutos de respiração em cada hora de apneia, ou outra proporção. Cada um vai ter que descobrir do que é capaz ou do que está disposto.
Vai ter que abrir os olhos debaixo d’água. No sal…
E afundar.
Você pode dar a sorte de mergulhar num mar cristalino e já enxergá-las lá de cima. Mas mesmo assim, se escolher alguma de lá, terá que afundar para pegá-la.
Ou se der sorte, vai mergulhar num mar turvo e ter que tatear o fundo…
Voltar, respirar e afundar.
Molhar, olhar, aprofundar, repetir, tentar…
Talvez leve um dia. Talvez leve uma vida.
Talvez, se tiver sorte, nunca encontre a sua.
Mas, se tiver sorte, talvez a encontre e volte para casa com ela.
Aconteça o que acontecer, no caso de voltar para casa com ela, poderá pendurá-la na parede e, sempre que passar por lá, olhá-la.
Outros também poderão. Talvez as próximas gerações…
É para isso que servem as conchas.
Para pendurá-las na parede, e, por vez ou outra, olhá-las.

Nesrine

Informações

Título: A concha
Publicado em: 02/06/2015
Publicado por:
Categoria: Textos e publicações

Um comentário em “A concha

  1. Gravatar of Marisa Mendes Sampaio de Souza who made comment number 160 Marisa Mendes Sampaio de Souza says:

    Querida, Nes. Lindo texto. Apaixonante. Eu tambem prefiro mergulhar no mar, sempre. Agora estou em uma fase da minha vida que estou devolvendo ao mar todas as minhas conchas :) quiçá até mesmo ir à loja de conveniência, comprar algumas, e soltar de volta no mar :) Beijao.

Comente!

Seu e-mail não será publicado.

Copyright © 2017 Dance! Porque é bom.
NeighborlyTema WordPress licenciado sob GNU GPL